terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Viver a anarquia!



















Na quinta-feira à noite, 1 de outubro, quando faltavam apenas alguns minutos para começar o dia 2 - dia fatídico, símbolo indiscutível da repressão e da barbárie, no México - um companheiro chegado me disse que na parte da manhã, tinha sido preso novamente Alfredo Maria Bonanno. Desta vez na cidade de Trikala, no norte da Grécia.

A prisão ocorreu minutos depois de uma expropriação conseguida numa sucursal bancária no centro da cidade helênica. Com 46,900 Euros no saco, Alfredo e seu parceiro, de idéias e ação, Christos Stratigopoulos, conseguiram fugir da cena de carro; infelizmente, foram interceptados numa barreira policial após enfrentamento com disparos com as autoridades. Acusados de roubo com arma – depois de nove horas de audiência – ambos foram condenados a “prisão preventiva”, sentença que, segundo a legislação grega, pode ir até dezoito meses de prisão.

Alfredo Maria Bonanno, editor responsável das revistas Provocazione e Anarchismo desde a década de oitenta, com mais de vinte volumes e uma infinidade de brochuras a saber [1], sem dúvida, é o mais importante teórico do anarquismo contemporâneo, conhecido no nosso meio pelas suas reflexões à volta do projeto insurrecional e suas aproximações metodológicas. Entre os seus livros destacam-se Poder y Contrapoder, La dimensión anárquica, Teoría y Práctica de la Insurrección, La destrucción necesaria e, Afinidad y organización informal. Igualmente, são de salientar entre a sua ampla produção de brochuras, La tensión anárquica, Otra vuelta de tuerca del capitalismo e El placer armado, esta última proibida na Itália e pelo que o condenaram a 18 meses de prisão, acusado de “apologia à violência e à subversão”.

Voltaria a visitar a prisão em 1989, ao ser detido com seu companheiro Pippo Stasi, Durante uma expropriação frustrada pela polícia a uma joalheria em Bergamo. Desta vez, permaneceria dois anos na prisão ao serem reduzidas todas as condenações por decreto governamental, numa tentativa de nivelar as diferenças na administração da justiça resultante da aplicação do novo Código Penal. Para Alfredo e Pippo, esta foi apenas uma questão de "boa sorte" e uma excelente oportunidade de "voltar à luta”.[2] Em meados de novembro de 1995, desenvolve-se na Itália uma caça às bruxas anti- anarquista. A operação repressiva seria chefiada pelo promotor Antonio Marini e ficaria tristemente conhecida como o "Processo Marini”, transbordando os limites da infâmia. Entre os delírios do Procurador estaria a invenção da ORAI (Organização Revolucionária Anarquista Insurrecional), organização fantasma que iria colocar atrás das grades, em 1996, sessenta e oito anarquistas, incluindo Alfredo Maria Bonnano, acusado de ser o autor intelectual e o ideólogo dessa dita organização . A farsa, supostamente sustentada na brochura de sua autoria "Nueva vuelta de tuerca del capitalismo", na qual, segundo a acusação, é sintetizado o “programa fundacional” da organização rebelde. O "processo Marini" culminaria em 20 de abril de 2004, com a condenação de onze dos companheiros detidos. Bonanno, seria um deles, condenado a seis anos de prisão por “apologia e propaganda subversiva” entre outros “delitos”.

Alfredo, nasceu na cidade de Catania, Sicilia, em 1937. Aos 13 anos teve o seu primeiro encontro com o anarquismo, num movimento totalmente polarizado. Naquela época este estava fortemente dividido entre “puristas” e “revisionistas”. No primeiro grupo, concentra-se a maior parte do anarquismo italiano, organizados dentro da FAI (Federação Anarquista Italiana); o segundo, se constituía à volta da corrente conduzida por Pier Carlo Masini, com rígidas abordagens em prol da “unidade tática”. Esta corrente, designada como “revisionista marxista” era uma divisão no interior da FAI, dirigida por Masini e animada por jovens que provinham mais do antifascismo que do movimento anarquista propriamente dito, alguns deles integrantes de Gioventù Anarchica. Foi nessa época que Pier Carlo Masini, indo a Catania fazer uma palestra apelou à formação de um movimento disciplinado, orientado e federado, que impulsionasse o proletariado e fosse a sua vanguarda; obsequiando os presentes com L’ Impulso [3] a modo de apresentação. Pouco depois, durante o Encontro de Frascati, celebrado em 12 de março de 1950, o grupo de Masini separa-se da FAI, ao não serem admitidos no dito encontro, constituindo-se como os Gruppi Anarchici di Azione Proletaria (GAAP).

Todavia, não seria antes de 1953 no “Congresso Nazionale di Civitavecchia” que se produziria a ruptura definitiva entre os gaapistas e a FAI. A partir daí os GAAP perderiam influência e se consumiriam, passando a engrossar diferentes organizações da esquerda autoritária e demostrando as suas verdadeiras intenções. [4]
Perante esta dicotomia tão primária, no interior do especifismo italiano, a maioria dos jovens optaria por desligar-se, separando-se da Gioventù Anarchica. Por não se sentirem identificados com nenhuma das correntes em conflito, viriam a constituir uma miríade de grupos nomeados segundo a região ou cidade a que pertenciam (Milano I, Bologna I, etc.), diferenciando-se assim do GAAP e da FAI. [5] Estes jovens, voltavam o olhar para a história do anarquismo e recorriam a práticas da organização informal e à ação direta, deixando por um lado o “anarquismo de laboratório” (e de salão) da FAI e o bolchevismo “libertário” dos Grupos Anarquistas de Ação Proletária. Sem querer, foi o primeiro passo em direção ao caminho, dezessete anos depois, que conduziria ao abandono do nefasto “anarquismo em transição”. [6]


Retomando as práticas anarquistas, conseqüentes com as suas teorias, a expropriação tornou-se rapidamente o meio ideal para estes núcleos autônomos de jovens que, através da práxis, começavam a difundir o seu ideal. Começaram por se apropriar dos meios necessários para editar as suas publicações e logo em seguida dos materiais para o ataque direto contra o Estado-capital e seus representantes. Assim, alguns desses grupos de afinidade decidiram arrecadar os fundos necessários para a realização do primeiro Campeggio Anarchico Giovanille. Desta forma, entrariam em contato com José Lluis Facerías, que estava refugiado na Itália naquela época sob o pseudônimo de Alberto e que apoiaria com entusiasmo o projeto que, sob o seu impulso, logo se materializaria em "Campeggio Anarchico Internazionale”. Verdade seja dita, embora em teoria fosse assumidamente anarco-sindicalista e defensor da organização centralizada, na prática exigia a expropriação e a ação direta e como método de organização recomendava um grupo mínimo de afinidade. Assim, juntamente com outro companheiro espanhol, forma um grupo de ação integrado por 2 jovens de Gênova e um de Turim, que realiza uma expropriação de sucesso à custa do Banco de Turim. A esta ação seguiram-se inúmeras expropriações ao largo e no interior de toda a bota itálica [referencia à forma do país que parece uma bota] que tornariam possível o primeiro acampamento e os subseqüentes [7]. Sem dúvida estes fatos influenciariam de forma decisiva os jovens anarquistas italianos nos anos cinqüenta, entre eles, Alfredo Maria Bonanno. [8]

Aos 73 anos, com mais de cinqüenta anos dedicados, em pensamento e ação, à Anarquia, Alfredo Maria Bonanno, continua na luta, coerente com a práxis que perfilha e com o seu projeto de vida: VIVER A ANARQUIA. Por isso, em alguns setores "obscuros" dos nossos meios é condenado e, pior, é silenciado. Não há a menor dúvida: Alfredo, é uma ameaça, não só para o clero e o Estado-capital que combates diariamente com unhas e dentes. É também uma ameaça para o “oficialismo libertário" e um flagelo para a reação imobilista que se disfarça com a sua camisa negra no conforto do status quo, apelando à inação e que deposita as suas “esperanças” na evolução eterna e parcimoniosa da Humanidade. Alfredo vive a Anarquia, não a abandona ao laboratório nem - muito menos - a limita ao passado, reduzindo-a à comemoração de efemérides e à leitura passiva dos livros de história.
Hoje, aqui e em todas as partes, urge a SOLIDARIEDADE com Alfredo e Christos. Não a solidariedade puritana das Carmelitas Descalças em Comunhão com a Santa Anarquia, a SOLIDARIEDADE DIRETA com os nossos companheiros de luta, nossos irmãos de idéias. Essa SOLIDARIEDADE DIRETA que faz cair os poderosos e aterroriza os "incluídos". A SOLIDARIEDADE ANÁRQUICA, que estremece o Estado-capital cada vez que se concretiza. Essa SOLIDARIEDADE que nos incentiva a destruir o presente porque os nossos corações habitam o futuro. Demonstremos que deste lado do Atlântico também vivemos a Anarquia!


Gustavo Rodríguez. México, Outubro de 2009

Nota: Os advogados defensores de Alfredo Maria Bonanno, solicitaram às autoridades gregas que lhe seja concedida "prisão domiciliária" por razões de saúde. Neste momento ocorrem jornadas de solidariedade a favor dos companheiros, tanto na Grécia, como na maioria dos países onde se registra presença ativa anarquista. Foi também criado um Fundo de Solidariedade para com Alfredo e Christos, que pode ser contatado através do endereço de email: smolikas2@gmail.gr

Ensaios de Alfredo María Bonanno traduzidos em castelhano:

Autogestión. Campo Abierto Ediciones. Madrid, 1977.
Anarquismo y elecciones. Editorial Síntesis. Barcelona. 1979
No podréis pararnos. La lucha anarquista revolucionaria en Italia. (Seleção de textos). Ediciones Conspiración e Editorial Klinamen. Barcelona, 2005.
El placer armado
La tensión anarquista
Enfermedad y capital
Movimiento ficticio y movimiento real Destruyamos el trabajo
Unas breves notas sobre Sacco y Vanzetti
Nueva vuelta de tuerca del capitalismo
El proyecto insurreccional
• Crítica a los Métodos Sindicales
• Por una Internacional Antiautoritaria Insurreccionalista
No podréis pararnos. La lucha anarquista revolucionaria en Italia
. (Seleção de textos). Ediciones Conspiración y Editorial Klinamen. Encontra-se disponível em formato PDFem: http://www.editorialklinamen.org/archivos/libros/nopodreis.pdf


Textos em inglês em:

http://theanarchistlibrary.org/category/collaborative-tagging/alfredo-m-bonanno
Todos os seus livros, folhetos e artigos, em italiano, em: www.edizionianarchismo.net

Alguns dos seus textos também foram traduzidos para o alemão, croata, francês, grego e russo.

[1] A sua obra consta de vinte e três livros editados e seis em preparação, além de dezoito folhetos impressos, que em conjunto com os seus textos, versam a Anarquia, o poder, a religião e a autonomia individual, entre outros temas. Em particular, faz-se ênfase no projeto insurreccional anárquico e sua metodología.

[2] Vid, carta de Alfredo Bonanno e Pippo Stasi, no final da condenação. Disponível em: http://alphabetthreat.co.uk/elephanteditions/provocazione/textarticles/gladtoseeyou.txt

[3] L’Impulso, começou a ser publicado em setembro de 1949, como Órgão do Comité Inter-regional para um movimento orientado e federado. Vid, Téllez, Antonio. A guerrilha urbana I. Facerías, págs. 273-275. Ruedo Ibérico Ediciones, París, 1974.

[4] O seu máximo líder, Pier Carlo Masini, passou-se para as filas do Partido Comunista Italiano. L’Impulso: publicou-se até abril de 1957, quando o GAAP se fundiu definitivamente com o “Movimento da Siniestra Comunista” que tinha o seu próprio órgão oficial “Azione Comunista”. Ibidem. p. 274.

[5] Id.

[6] Quando falamos de anarquismos “clássico”, “de transição” e “pos-clássico”, Trata-se de oferecer uma idéia de sequência temporal, a partir das teorias desenvolvidas por Rafael Spósito (Daniel Barret), absolutamente necessárias na hora de analizar o desenvolvimento do anarquismo, sem que isso implique, como aponta Spósito, que o assunto se esgote -nem muito menos- a compreensão dos seus meandros teóricos e ideológicos.

[7] Téllez, A, Op cit. p. 279.

[8] Bonanno, Alfredo María, A mano armata, Pensiero e Azione -14, Edizioni Anarchismo, Trieste. 2009.


Tradução > Liberdade à Solta


agência de notícias anarquistas - ana

domingo, 29 de novembro de 2009

Vida Refinada [trecho]
























O açúcar branco é a sacarose isolada pelo refinamento do caldo da cana-de-açúcar. Não é um alimento encontrado pronto na natureza, sendo necessário ser isolado e concentrado por processos industriais. Consequentemente, não é um alimento saudável. A natureza nos fornece alimentos completos, com nutrientes correlacionados, não substâncias isoladas. Fomos adaptados para digerir a glicose encontrada nas frutas, nos tubérculos, nos cereais, e não a superdose introduzida com o açúcar refinado. Essa alta dosagem de glicose de uma só vez desestabiliza nosso metabolismo, provocando perda de minerais como o cálcio, magnésio, dentre outros.

Sua ingestão regular pode causar diversos problemas de saúde como: osteoporose, obesidade, câncer, cárie, reumatismo e diabetes melito. A diabetes é o melhor exemplo de como uma substância criada artificialmente pode danificar para sempre nosso organismo – isso porque a função de tal composto é unicamente ser saboroso. Se quiser levar uma vida saudável, a pessoa que desenvolve diabetes deverá fazer o que todos já devíamos fazer: levar uma alimentação sem açúcar branco. O impressionante é que até 300 anos atrás ninguém usava aditivos doces nas refeições diárias. Hoje em dia, muitas pessoas diabéticas veem na abstenção do açúcar um empecilho para encontrar prazer na sua alimentação.

A divisão do trabalho permite que as atividades necessárias para a manutenção da sociedade massificada sejam divididas entre as classes sociais. A cada classe compete um determinado tipo de atividade e a cada tipo de atividade cabe uma remuneração. Quanto mais complexa a sociedade, maior a gama de atividades (e remunerações). O termo divisão social do trabalho é o mais adequado e completo, uma vez que as barreiras de classe determinam os diferentes trabalhos e remunerações – a faxineira não realiza a atividade do engenheiro, e muito menos ganha um salário próximo ao valor do salário deste. E vice-versa.

Abrigo, alimento, saúde e higiene são demandas de cada indivíduo e, logo, de toda a sociedade ao mesmo tempo. No entanto, as atividades necessárias para que disponhamos desses itens estão divididas socialmente de uma forma desigual. Ou seja, as demandas são de todos igualmente, mas o trabalho realizado para o suprimento delas não é dividido de forma igualitária. Alguns trabalham mais que outros, alguns sujam as mãos mais que outros, mas alguns – que não são estes – são mais bem remunerados.

Algumas de nossas atividades cotidianas podem ser mais prazerosas que outras. Mas o domínio da realização de todas elas é indispensável para fundamentar a autonomia individual e para a superação do estado de alienação que nos mantém reféns daqueles que detêm o monopólio do capital, das ferramentas, da terra, do conhecimento e da tecnologia que sustentam a sociedade de massas. Mesmo assim, tendemos a dar mais atenção às atividades mais prazerosas.

A divisão social do trabalho permite àqueles que possuem maiores recursos relegar a maior parte do trabalho sujo a outras pessoas que a realizam em troca de um salário ou alguma outra recompensa. Quanto maiores os recursos financeiros, maior a capacidade de relegar a outros as atividades necessárias, porém não tão prazerosas. É uma maneira de "refinar" a vida, extraindo dela apenas o suprassumo do prazer, como se o resto não existisse – exatamente como fazemos com a sacarose da cana-de-açúcar.

Essa prática é embasada em uma maneira de ver o mundo entranhada em nossos hábitos. Aprendemos que é melhor lutar por um bom emprego, um alto salário, para que possamos pagar àqueles que pertencem a uma classe social inferior para que sujem as mãos por nós enquanto desfrutamos do "melhor" que a "vida" tem para oferecer. Todos os garçons, cozinheiras, porteiros, faxineiras, vigilantes, entregadores, secretárias e motoristas sabem do que estou falando.

Não é de se estranhar que quando uma catástrofe natural ou uma guerra colocam uma grande população à mercê dela mesma da noite para o dia, sem estado e infraestruturas básicas (abrigo, alimento, saúde e higiene), ela seja acometida por diversas outras tragédias. Como vimos nos recente exemplos em Nova Orleans, no Haiti, no Iraque, grupos se organizam para saquear, a violência se torna incontrolável, doenças se espalham, pessoas morrem por falta de serviços médicos, de saneamento e de comida. Elas não apenas não estão preparadas para viver sem a administração estatal, sem hierarquias, como também não conseguem lidar sozinhas com a manutenção de suas necessidades básicas, pois as estruturas físicas e sociais da divisão do trabalho simplesmente evaporaram sem ninguém ter ensinado como obter tudo aquilo de outra maneira que não pagando para que outros cuidem disso para elas.


Catharina Disangelista



Trecho do livro "SELVAGE - Da anarquia à selvageria".

Coletivo Você Tem Que Desistir - 2010

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Faça com que este reino caia!






















"Que todos os reis se afoguem no sangue de suas conquistas
E todas as bandeiras morram nos topos de seus mastros
Que todos os glutões sejam empalhados nas costelas dos famintos
E todos os padres vendam suas almas
Que todos os sonhadores acordem em um mundo que é vazio
Que os amantes traiam e sejam traídos
Que os poetas se engasguem com suas próprias doces mentiras
E todos se curvem perante seus destinos
Que todos os que buscam vaguem perdidos através dos vales e desertos
E se deitem para dormir sobre pedras
Que os doentes floresçam
E os saudáveis sofram
Que os ratos lutem pelos ossos
Que o ódio domine impiedosamente um mundo dos condenados onde os rios cessem de correr
Deixe que o Sol se ponha para sempre no quebrado coração dessa Terra"*
Faça com que este Reino caia!


* trecho extraído da música "The Witch's Heart" do álbum "passion" da banda catharsis

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Ações pela Libertação Animal e da Terra pelo mundo!





[México] Ataque incendiário contra museu de caça Albarran em Guadalajara

Comunicado:

Na escuridão da noite de 8 de outubro, a nossa célula penetrou em uma das colônias mais luxuoso da nossa cidade onde se encontra um lugar que expõem cadáveres de animais como troféus, assassinados por um dos homens mais ricos de Guadalajara que pensa que pode abusar dos animais sem receber um merecido revide, e assim foi. Mais de 11 litros de gasolina arderam na fachada do lugar, e ainda deixamos uma mensagem: "respeite a vida selvagem animal e da terra - FLA". E escapulimos na escuridão como sombras.

Queremos esclarecer à imprensa e à polícia que o nosso grupo não é apenas um bando de "jovens" sem qualquer fundamento ideológico, nossos fundamentos se baseiam na liberdade e respeito por todos os seres que existem, por isso lutamos para abolir o antropocentrismo, culpado pelo assassinato da terra e pela dominação dos animais; ressaltamos que nossos ataques seguirão, e nossas ações serão cada vez mais eficazes.

Frente de Libertação Animal (Animal Liberation Front, ALF)

[Suécia] Visons liberados em Eksjo

A mídia informou que cerca de 1.000 visons foram liberados de suas gaiolas em uma fazenda em Eksjo, em 5 de outubro.

Tubulações de água e equipamentos agrícolas da fazenda também foram destruídos. Esta é a quarta vez que a fazenda é alvo de uma ação liberacionista, a mais recente foi levada a cabo em abril último.

O agricultor já anunciou que irá fechar a fazenda.

[Dinamarca] Mais de 10 mil visons liberados

A mídia dinamarquesa informou que mais de 10000 visons foram libertados das gaiolas de duas grandes fazendas de peles nesta semana. Durante a noite de 6 de outubro 6000 visons foram libertados de uma fazenda perto de Søndervig após as gaiolas serem abertas e os portões da propriedade destruídos. Em seguida, na madrugada do dia 9 de outubro, 5000 visões foram liberados de suas gaiolas em uma fazenda na cidade de Fousing.

[Reino Unido] Sabotagem contra carros de um circo

No norte de Londres, vários veículos do Zippos Circus foram arranhados e suas portas sabotadas (coladas) na noite de 4 de outubro, em nome da Frente de Libertação Animal (Animal Liberation Front, ALF). “Os animais não são propriedade do circo e pessoas compassivas não deixarão de realizar essas ações até que se acabe a escravidão.“

[Reino Unido] Peixe resgatado de um parque

Na sexta-feira, 3 de outubro, um peixe foi liberado de um stand de um parque de diversões onde estava a ser usado como um prêmio. Lá muitos peixes são tratados como brinquedos, em vez de indivíduos vivos, e estão todos em pequenos sacos de plástico, onde apenas conseguem dar uma volta ao seu redor. Depois de várias tentativas para matá-lo pelo pessoal do stand, o peixe foi alcançado e levado para uma casa onde ele está atualmente à espera de ser enviado para um lugar melhor.

Até que todos sejam livres!

[Itália] Visons são libertados em Castel di Sangro

130 visons foram liberados de uma pequena fazenda em Castel di Sangro, de propriedade de Raffaele D'Amico. Segundo a imprensa local, todas as gaiolas foram abertas, todos os cartões de reprodução (de identificação) foram destruídos e a sala de extermínio foi incendiada. Essa fazenda já tinha sido alvo do ataque da Frente de Libertação Animal (Animal Liberation Front, ALF) em 2003, e o agricultor está atualmente a ser julgado por agressão contra os ativistas da PETA (People for the Ethical Treatment of Animals - Pessoas pelo Tratamento Ético aos Animais) que organizaram uma manifestação junto com uma equipe de TV no interior da fazenda há alguns anos atrás.

[México] Sabotagem contra torre de telefone celular

Comunicado:

Na noite de 4 de outubro nós nos dirigimos para o matagal próximo do viaduto Atizapana, sobre a rodovia México-Toluca, no Estado do México; para sabotar uma das muitas propriedades da empresa destruidora Telmex, se tratava de uma grande torre de telefone celular que estava protegida por uma cerca de metal. O impacto ambiental de implantar uma torre como esta sobre a terra é indiscutivelmente prejudicial, uma vez que para introduzi-la sobre a natureza teve que ser cortado diferentes árvores onde viviam diversas espécies, contribuindo assim para que muitas das ondas magnéticas que emitem essas torres deixem a terra árida e seca.

Ao analisar esses efeitos e outras coisas, concluímos que a sabotagem contra este maquinário destruídor dos ecossistemas e que expande a civilização deve ser agora! Nós não vamos permitir que empresas como a Telmex continue com o seu luxo de andar transformando a terra em uma mercadoria para lucrar sem receber uma resposta vigorosa dos e das eco-radicais.

É por isso que nós montamos um dispositivo incendiário, com seis litros de gasolina; temos penetrado nesta propriedade “privada” destruindo suas cercas e pusemos tal dispositivo no alto dos cabos que conduziam os sinais telefonia. Como era esperado nosso presente funcionou bem, e o fogo destruiu completamente os cabos, além das caixas centrais que estavam abaixo da torre explodiram deixando a torre do nojento Carlos Slim inutilizada, causando prejuízos de milhares de pesos.

Frente de Libertação da Terra (Earth Liberation Front, ELF)

[Rússia] Ataque incendiário contra máquinas em Moscou

Comunicado:

Chegou a hora de dizermos: "Chega!"

Esta noite de 2 de outubro, proclamamo-la como o início da nossa luta, a luta da Frente de Libertação da Terra (Earth Liberation Front, ELF). Luta contra aqueles que, apesar dos protestos populares, destroem impiedosamente a Natureza para sacar as suas vantagens monetárias.

Desta vez, pagaram por seus atos, queimamos um trator e uma retroescavadeira que cavava uma trincheira ao longo da floresta Butovskiy para colocar uma tubulação de água quente para o edifício do Serviço de Inteligência. Com esse plano eles pretendem cortar 135 árvores e 268 arbustos. O Serviço de Inteligência quer exterminar a floresta, fato que vai piorar a situação ecológica no sul de Moscou.

Não ouviram (não queriam ouvir) a voz do povo, por isso nessa noite de 2 de outubro iluminamos o nosso caminho de casa queimando suas máquinas.

Queremos que este atuar seja um estímulo para mais ações audazes, contra aqueles que estão matando a terra.

Quando não ajuda a força da palavra, ajuda a força do fogo.

Madrugada de 3 de outubro...

Frente de Libertação da Terra (Earth Liberation Front, ELF)

agência de notícias anarquistas-ana

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Sociedade Morta-viva

O que significa ser “humano”, ou o que significa “ser humano”? Esta questão tem se tornado cada vez mais importante ao observamos um mundo moderno que parece “hostil ao homem” ou “desumano”. Existe uma grande indisposição de refletir sobre esta questão, pois a definição do conceito de humano recai sobre a questão do sentido da vida humana, o que é uma questão “metafísica demais” para o homem moderno. Este se acostuma a encontrar seu sentido na falta de sentido, e em nada mais. O sentido humano inclui a pergunta pela “função” humana, não no sentido funcionalista, mas no sentido da pergunta milenar “porque estamos aqui”, ou “qual o nosso papel na existência”?

Ao tentar definir nossa humanidade, os filósofos recorreram a uma série de aspectos do homem, desde a racionalidade até sua composição genética. Mas a pergunta pelo papel do homem não envolve apenas uma característica interna do homem. Envolve a etologia humana, ou seja, o comportamento humano, incluindo aí a cultura, as crenças e a ética. Hoje em dia, o significado da pergunta “o que você faz?” ou “qual a sua função?” é entendida como “qual é seu trabalho/emprego”. A pergunta sobre o que fazemos relaciona-se com a pergunta sobre qual o nosso papel, o que acaba determinando nossa auto-imagem, quer dizer, nosso conceito sobre quem somos. A pergunta “quem você pensa que é?” remete ao status social, o que por sua vez remete a uma profissão. Não raro, o primeiro dado biográfico que procuramos sobre as pessoas, logo depois do nome, é a profissão, a ocupação, o cargo, o lugar que esta pessoa ocupa não apenas na sociedade, mas na sociedade do trabalho. As roupas que vestimos e o modo como nos portamos reflete nossa posição nessa sociedade.

Num mundo que provoca tanto o trauma quanto o vício pelo trabalho, os eventos que ocorrem no local de trabalho ou os pensamentos decorrentes da atividade do trabalho têm sido os temas mais comuns nas conversas informais, mesmo nas conversas entre familiares, entre casais, entre amigos ou entre estranhos. O trabalho, e tudo que ele suscita, tem invadido gradualmente todo nosso tempo, nossa vida, nossa mente e todas as nossas disposições de ação. O comportamento no trabalho tem se tornado mais “condicionante” para o indivíduo do que sua convivência em qualquer outro espaço social. De fato, a tendência “alienante” do trabalho repetitivo, comum na era industrial, foi substituída por uma etologia que leva “a vida para o trabalho” e “o trabalho para vida”, em todos os seus aspectos. Até mesmo o aspecto lúdico, antes dissociado do trabalho, agora pode ser confundido com este, quando se torna mais comum ouvir a frase: “Isto não é brincadeira, é meu trabalho, mas eu me divirto muito com ele”. Assim, a etologia humana está cada vez mais, centrada na sociedade do trabalho, confundindo-se com a etologia do trabalho. Não apenas do trabalho humano, mas do trabalho “civilizado”, isto é, com vias para o progresso de uma sociedade tecnocrática, que muda numa velocidade espantosa, a ponto de não conseguirmos mais dar qualquer adjetivo a ela, pois os adjetivos se tornam rapidamente obsoletos. A mudança de forma desta sociedade está se acelerando a ponto de não podermos mais dar um diagnóstico preciso sobre sua situação.

O “ethos” exigido no local de trabalho, assimilado como “lição de vida” pelos “discursos motivacionais”, tem se tornado um “estilo de vida”, algo que se torna base para o comportamento em todos os outros aspectos da vida, como o relacionamento íntimo, o consumo, a postura ética, o posicionamento político, até mesmo a crença religiosa. A carreira enquanto estilo de vida se torna um fetiche: o indivíduo procura consumir qualquer coisa que esteja relacionado ao seu trabalho, como objetos de decoração que simbolizam sua formação. O olhar cotidiano se torna um “olhar médico”, um “olhar jurídico”, um “olhar filosófico”, e assim por diante. Tudo gira em torno da profissão. O indivíduo tem centralizado vida no trabalho mais do que em qualquer outra de suas capacidades humanas. Em outras palavras, a função artificial, criada para suprir uma sociedade de acúmulo, está substituindo nossa “função humana”, aquela responsabilidade que tínhamos no passado. Nestes termos, a sociedade do trabalho criou uma nova função para o homem, destituindo-o dos deveres que ele tinha antes e substituindo uma ética baseada na relação do homem com o sagrado por uma ética baseada na produção e no consumo.

Esta “função humana original” se assemelha à etologia dos animais não domesticados (ou selvagens), pois eles não vivem no acúmulo de poder, vivem na dádiva da vida. Esta vida “na graça” foi deixada de lado como algo aprisionador, pobre e primitivo. A questão que se coloca é então uma oposição entre trabalho, que é nossa função social nesta estrutura mercadológica, e nossa função humana, que é nossa função no e para o meio em que o humano estava originalmente inserido, no e para o qual ele surgiu. As duas funções não se confundem quando analisamos a humanidade no seu sentido mais amplo. Percebemos a substituição gradativa da função humana pela função do trabalho.

É nesse contexto que se insere a metáfora de uma sociedade de mortos-vivos, que representam seres com aparência superficial de estarem vivos e realizarem funções, porém sem qualquer conteúdo ou sentido para essas funções. Não apenas “somos para morte”, mas nossa função humana perdeu seu valor intrínseco, reduzindo-se a uma função que objetiva apenas a reprodução de comportamentos voltados ao trabalho. Mesmo o que não é chamado de trabalho, como o entretenimento e a arte, existem em função do trabalho, e seguem também a estrutura do trabalho, uma vez que esta assimila todas as atividades humanas e as classifica de acordo com um cálculo de eficiência. Perguntamos-nos o que “compensa” mais, ir ao teatro ou ao cinema, em termos de uma “eficiência de diversão”. Atividades reflexivas, que não nos distraiam o suficiente ou não ocupem ao máximo nossa atenção, são consideradas pouco divertidas. Ver um filme, por exemplo, é preferível a ler um livro, porque as múltiplas imagens fluindo constantemente fixam nossa atenção na multiplicidade de informações, deixando pouco espaço para refletir sobre a mensagem.

Um morto-vivo caracteriza-se por aquele ser que está destituído de sua função enquanto ser vivo, mas que ainda mantém uma função com fim em si mesma, caracterizada por um movimento programado, típico de um autômato ou de um objeto animado por mecanismos invisíveis. Seu “princípio de ação” é controlado por forças estranhas à vida, como um desejo insaciável de destruir/consumir vida pulsante, o que significa consumir aquilo do qual tem carência. Na literatura, mortos-vivos podem ser inteligentes, sedutores e refinados como os vampiros. Podem ter uma aparência atraente, ainda que por meio de um encantamento. Podem mudar de forma, e são imunes a ferimentos. Os mortos-vivos estão à caça dos vivos. Também apresentam a característica de infectar o outro com sua doença ou maldição, espalhando-a como um vírus. Os mortos-vivos andam à noite porque se escondem dos vivos. A vulnerabilidade ao espelho revela que eles também se escondem de si mesmos. São insensíveis e frios.

A perda das funções humanas leva a uma busca constante por algo que parece impossível de ser alcançado, pela reprodução de uma rotina sem sentido e sem finalidade. Isto é o que acomete todos os membros de uma sociedade morta-viva, gerando medo, raiva, desespero. A morte-vida, diferente da morte, se espalha dominando as mentes e os corpos, num movimento de expansão de influência e poder por via do engano e da violência. A morte fecha o ciclo da vida, mas a morte-vida impede o fechamento do ciclo da vida, criando um ciclo infindável dentro do ciclo vital, como uma referência circular ou um “loop infinito”. Ela nos desliga de nosso propósito como seres humanos e nos leva para uma espiral descendente de acúmulo e expansão de poder, seja pela brutalidade ou pela astúcia.

Não é por coincidência que alguns autores relacionaram os morto-vivos à maldição de Caim, o primeiro agricultor, primeiro assassino e também fundador da primeira cidade. Caim foi condenado a vagar pela terra sem rumo definido e recebeu uma marca que o impede de ser morto, porém todo seu trabalho resulta em cinzas. Ele é por definição o homem destituído de seu papel humano, condenado a caminhar para o vazio, numa existência sem sentido intrínseco.

Caim, que arou seu campo com o sangue de seu irmão, é o primeiro a acumular. Em hebraico, Caim significa “homem de posses”. Ele, que foi herdeiro da condenação ao trabalho pelo pecado da cobiça, agora também se torna fundador de uma nova maldição: a inveja que leva à destruição da vida em função do trabalho.

Nós elegemos o trabalho como fonte não apenas de sustento, mas de sentido existencial. Mesmo quando tentamos fugir do trabalho em atividades artísticas, estas só podem prover sustento porque outra pessoa trabalha para adquiri-las. A arte também pode ser mais procurada quanto menor o sentido de nossas existências, uma vez que ela provém um momento de sentido aparente. Mas a função humana não pode ser resgatada pela atividade artística. O sentido existencial não pode ser substituído pelo sentido estético.

Os membros da sociedade morta-viva são como insetos batendo numa lâmpada que eles pensam ser o sol. Contínua, furiosa e entorpecidamente, concentrando todo seu ser nesse fluxo aparentemente vital, porém originado do auto-engano. Caminhando na mentira que conduz à escuridão da morte do sentido.

Todos os aspectos do trabalho moderno, incluindo a programação de comportamentos pelo cálculo de produtividade, se tornam aspectos da vida moderna. Estes conduzem continuamente o indivíduo ao automatismo e ao artificialismo. E ao mesmo tempo ao prazer, à tentativa de aproveitar ao máximo as experiências agradáveis, ao consumo insaciável de “vida”. Mas a vida transformada em produto também se torna parte de um processo “sem sentido” quando o consumo acaba. Ou seja, este processo é a transformação de tudo que é vida em morte-vida. Luz em escuridão. E quando as luzes se apagam, é cada um por si, não há mais referência comum. Somos nosso único ponto de referência num universo restrito ao eu, onde o outro é uma ameaça, e não faz sentido falar sobre de onde viemos e para onde vamos.


Janos Biro
Goiânia, 01/09/09



Texto extraído do blog Uma Nova Cultura:
http://www.umanovacultura.blogspot.com/

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Juventude Inconformada - Publicação Anarquista

























Publicação anarquista com 8 páginas cheia de textos!

Se quiser receber o zine impresso só entrar em contato através do e-mail:

kaosedanos@hotmail.com ou pequenaameaca@gmail.com

Download do zine:

http://www.4shared.com/file/122722511/b33fca68/zine_-ji-_pdf.html

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

[Peru] Pronunciamento libertário sobre os acontecimentos na Amazônia





















Pretendem que a gente viva uma farsa. O poder opressor (Capital, Estado etc.) não somente utiliza da violência física para nos controlar, mas também cria uma jaula invisível chamada “normalidade” para se apoderar do pensamento e das aspirações dos dominados, impedindo-os de ver a possibilidade de sua própria libertação. Quem desobedecer será sancionado socialmente como sonhador ou subversivo. Os meios de comunicação também são armas: disparam cortinas de fumaça para desviar a nossa atenção, e assim esquecemos as injustiças cotidianas. A imprensa maquia os fatos, os transforma em mercadoria, banaliza a morte. Por isso, enquanto as pessoas eram assassinadas em Bagua, rapidamente o sistema tratou, em primeiro plano, de fazer um teatro, exaltando novas glórias esportivas, com manchetes repletas de fervor patriótico: o vermelho da bandeira peruana se sobrepondo ao vermelho do sangue dos mortos no conflito ainda não resolvido na Amazônia.

O regime pretende ocultar que ainda existem centenas de desaparecidos, dezenas de presos, famílias desconsoladas, comunidades incompletas, pois, no ataque policial, muitos daqueles que fugiram ainda não voltaram. As arbitrariedades nas prisões são as coisas mais comuns. Pretendem provocar a desmoralização das pessoas para acabar com anos de luta e organização, mas, apesar da repressão, os povos amazônicos seguem dispostos a lutar.

Não, não defendemos a soberania nacional, se isto significa propriedade do Estado e domínio de sua burguesia local. Somos partidários da administração direta das comunidades, de sua capacidade de autogestão. Somos contra o desenvolvimento cego e a indústria depredadora, é o momento de formular formas radicalmente distintas de convivência, sem exploração do homem e da natureza. Não atacamos a empresa transnacional por ser estrangeira, mas sim por ser exploradora, capitalista. A luta amazônica não foi provocada pelo chavismo ou outros supostos agitadores. Estas são mentiras do governo que quer encontrar falsos culpados e negar a capacidade das comunidades de atuarem por si mesmas. Defendemos a autonomia dos povos e desejamos espaços livres de contaminação não somente no Peru, mas em todo o mundo. Este conflito não é uma guerra de “Estados imperialistas” contra suas Neo-colônias, o Capital usa qualquer bandeira (o inimigo também se veste de vermelho e branco) por isso compreendemos que, para nos liberar, é inútil falar de “pátria”.

Não se trata de manter espaços para o turismo ou de uma saudade cafona do bom selvagem. As comunidades indígenas possuem seus próprios conflitos. Não idealizamos, simplesmente somos solidários contra o inimigo comum. O poder opressor tem atacado sem dó, tem matado, continua matando e pretende que a gente olhe para outro lado para que possa prosseguir impunemente. Esta luta é a luta de todos, e se hoje são os indígenas amazônicos, amanhã pode ser qualquer um o “desaparecido”, pois o Estado e o Capital são o mundo da não-troca, da homogeneidade repressiva que cospe em nós se tivermos a ousadia de questioná-los. Para este mundo, somente existimos como objetos, como mercadoria, somos descartáveis.

Lutemos. Vamos opor a essa normalidade homogeneizante a nossa diversidade crítica. Sejamos a negação dessa farsa. Como dizem os zapatistas no México: Se neste mundo não cabemos, então outro mundo terá que ser feito.

Anarquistas em Lima

Sábado,15 de agosto de 2009.

Tradução > Marcelo Yokoi

agência de notícias anarquistas-ana

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Pequena Ameaça # 3 - Publicação Aperiódica Anarquista
























Publicação com 20 páginas contendo Textos, Poemas, Entrevistas, Resenhas, Propagandas Conspiratórias... etc!


Download do Zine:
http://www.4shared.com/get/122724091/5846dd57/pequena_ameaa_-_3_-_PDF.html


obs.: se quiser receber pelo correio é só entrar em contato pelo e-mail: pequenaameaca@gmail.com

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Discrepante - "Por Você"


Discrepante é uma banda Power Trio Anarco Crust Punk Violence do itaim paulista, extremo leste da cidade de São Paulo, formada pelos irmãos Daniel, Gênio e Nando.

Em seu álbum "Por Você", lançado em 2006, eles fazem das dez faixas existentes no disco algo totalmente pertubador e ensurdecedor... "Qual o motivo do teu orgulho, se esse "mérito" envolve toda uma grande privada? Teu orgulho é uma merda e isto não te torna diferente dele".

Música rápida, suja e agressiva com influências que vem de bandas Punk/Hardcore como Concrete Sox, Discharge, Avskum, GBH, Disclose e muita coisa boa dos anos 80´s... Suas letras atacam e ironizam a violência do Estado e os valores morais que formam a ordem vigente: "Nossa liberdade é limitada por malditas leis que regem a civilização(...). Um dogmatista, sistemático é quem toma a decisão... Por você".


MYSPACE:

http://www.myspace.com/discrepante

Obs.: copie e cole o link.

Download do álbum:

http://www.4shared.com/file/113517734/e7a9afb5/Discrepante_-_Por_Voc_cdr_2006.html

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

[EUA] "Companheiro" era um infiltrado do FBI


[Recentemente foi descoberto um agente secreto do FBI que se infiltrou e espionou as comunidades anarquistas e anti-guerra nas cidades de Tacoma e Olympia, localizadas no Estado de Washington. Nos últimos dois anos o militar participou de reuniões, eventos e ações organizadas pelos ativistas em ambas as cidades levantando informações sobre ele/as. Suspeita-se que exista uma grande rede de espionagem em todo Estados Unidos mirando anarquistas, ecologistas radicais, ativistas anti-guerra, entre outros dissidentes. A seguir um texto escrito por um companheiro estadunidense que também pode servir de alerta para comunidades anarquistas fora daquele país.]

Um aviso aos companheiro/as anarquistas

A caça às bruxas continua. A Limpeza Vermelha e o McCartismo, muitos diriam, são relíquias dolorosas, e pertencem ao passado. Infelizmente, como o programa jornalístico independente Democracy Now! (Democracia Já!) divulgou, isto não é verdade.

O Governo Federal dos Estados Unidos, uma entidade que somente existe para receber ordens do setor privado (veja o desastre do setor da saúde), ainda está tentado criminalmente encontrar terroristas insanos que bombardeiam as pessoas, vivem nas florestas, e aspiram um mundo de caos, que também se auto-referem como anarquistas. Para o desalento deles, isto é, na verdade, um tanto difícil de encontrar.

Esta não é a hora e nem o lugar em que tratarei sobre violência; que é uma discussão muito válida. Mas não hesitaria em afirmar que o/as anarquistas são estatisticamente muito menos violentos que os chefes de Estado, corporações ou a maioria dos outros grupos.

Infelizmente para o/as anarquistas, isto não é uma relíquia, e devemos ser cauteloso/as e vigilantes em relação ao que fazemos e com quem nos juntamos.

Brendan Maslauskas Dunn, anarquista e ativista antimilitarista, descobriu que um companheiro era na verdade um espião militar, assim como o Democracy Now! contou. Ele descobriu que seu amigo “John Jacob” era na verdade um espião chamado John Taylor, um espião militar que atuava via The Freedom of Information Act¹ (Ato pela Liberdade de Informação).

Qual era a missão do John Taylor? Maslauskas Dunn disse que ele fazia parte de um enorme projeto do FBI para monitorar os meios anarquistas a fim de encontrar motivos para dar batidas policiais nos Infoshops, ou nas casas do/as ativistas.

Segundo Maslaukas, entre outras ações realizadas, “a polícia colocou uma câmera, uma câmera de vigilância, na rua que dá para o centro comunitário do/as anarquistas em Tacoma, chamado Pitch Pipe Infoshop”.

Mais perturbador, a polícia planejava fazer uma batida na casa onde Maslauskas e outro/as ativistas vivem na tentativa de encontrar explosivos, drogas, e outras armas.

Companheiro/as, espalhem essa mensagem, especialmente em Tacoma e Olympia. Neste ponto, não sabemos empiricamente o quão meticulosa permanece esta operação. Então, tome cuidado com as novas pessoas dentro de seus próprios meios locais, mantenha suas orelhas e seus olhos abertos, e divulgue a informação para que companheiro/as anarquistas possam ficar atento/as. Com o capital global enfrentando crises, é muito provável que a caça às bruxas se intensifique.

Alex Bradshaw

[1] Lei que permite espionagem sem mandado judicial nos Estados Unidos, criada pelo ex-presidente estadunidense George W. Bush.

Tradução > Marcelo Yokoi

agência de notícias anarquistas-ana

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Pelo Caos (paz) em todo mundo



O relógio do edifício marcava 12:45 horas e eu estava no banho de sol (horário do almoço) em pleno viaduto do chá (SP); o garoto (negro desde nascência escuro de sol como o som dos racionais) caminhava com seus trapos de coberta suja na minha direção, fitava um olhar de ódio a todos, e eu sentado em cima do parapeito do viaduto senti daquele olhar uma ameaça. O medo surgia apartir do momento de que faziam 16 graus em sp e ele estava de bermuda descalço e com trapos de coberta suja sob os ombros para se aquecer, e eu estava com um pacote de bolacha, trocados no bolso, e bem aquecido.
Pensei em alguns instantes que ele por qualquer motivo poderia me empurrar do beiral do viaduto, achei até que ele tinha motivos, achei que não tinha nada a perder a me tacar no vale do anhagabaú.

Com o passar do medo, tive uma conclusão!

Enquanto pessoas estiverem sujeitas a miséria, aqueles que dizem estar fora dessa zona de risco se sentirão desprotegidas.
Enquanto uns conhecem a fome outros desconhecem a "Paz".

Por isso acho que, quem realmente quer se opor as rédias do capital deve quebrar os espectros da "paz" , deve opor-se a ela também, encará-la como um instrumento, uma espécie de remédio jogado 'guela' abaixo pela máquina, afim de nos domar, domesticar nossos mais fieis sentimentos de mudança, sabendo que não havendo cessão por um dos lados o conflito será inevitável.

(esse não é um blog pessoal desculpa ai !)

Ao som de samba, acredito eu.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

ESQUERDA? NÃO, OBRIGADO!
























Por John Zerzan


Não é que a energia que há no mundo está terminando. Em um determinado dia, em qualquer continente, podemos ver motins anti-governo; ações diretas de apoio à libertação animal ou para proteger a terra; esforços concentrados para resistir à construção de barragens, auto-estradas, instalações industriais; revoltas em prisões; focos espontâneos de vandalismo por pessoas de saco cheio ou entediadas; greves sem autorização de sindicatos; da energia de inúmeros infoshops, zines, acampamentos primitivos, escolas e encontros; grupos radicais de leitura, o "Food Not Bombs", etc. A lista de atos e projetos alternativos de oposição é muito considerável.

O que não está acontecendo é a esquerda. Historicamente, tem falhado monumentalmente. Que guerra, depressão ou ecocídio impediu? A esquerda já existe, principalmente, como um veículo combalido de protesto, por exemplo, o circo eleitoral que cada vez menos pessoas acreditam em qualquer forma. Não tem sido uma fonte de inspiração de muitas décadas. Está desaparecendo.

A esquerda está no nosso caminho e tem de sair.

O suco de hoje é com anarquia. Durante cerca de dez anos, tornou-se progressivamente mais clara que as crianças com a paixão e a inteligência são anarquistas. Progressistas, socialistas, comunistas estão grisalhos e não causam tesão na juventude. Alguns recentes escritos por esquerdistas (por exemplo, "Infinitely Demanding" de Simon Critchley) expressam a esperança de que a anarquia irá reavivar a esquerda, tão em necessidade de ser ressuscitada.
Isto parece-me pouco provável.

E o que é anarquia hoje? Esta é a história mais importante, na minha opinião. Uma mudança fundamental em curso, foi durante algum tempo, a que tem sido bastante sub-relatada por motivos bastante óbvios.

O anarquismo tradicional ou clássico é tão fora de questãocomo o resto da esquerda. Não é em nenhum momento parte da impressão freqüente que se tem no aumento de interesse sobre a anarquia. Observe o uso aqui: não é anarquismo que está avançando, mas a anarquia. Não uma teoria eurocêntrica fechada, mas uma "ideologia" aberta, que não detém barreiras questionando eresistindo.

A ordem dominante mostrou-se surpreendentemente flexível, capaz de cooptar ou recuperar inúmeros gestos radicais e abordagens alternativas. Devido a isto, chama-se para algo mais profundo, algo que não pode ser contido dentro dos termos do sistema. Esta é a principal razão para o fracasso da esquerda: se os fundamentos não são desafiados a um profundo nível, a cooptação é certa. O anarquismo até agora, não saiu da órbita do capital e da tecnologia. O anarquismo aceitou tais instituições como divisão de trabalho e de domesticação, essas as forças primárias da sociedade de massas - a qual também aceitou.

Entre numa nova perspectiva. O que é proeminentemente colocado vai por muitos nomes: anarco-primitivismo , neo-primitivismo, anarquia verde, civilização crítica, entre outros. Para breve, vamos apenas dizer que somos primitivistas. Há sinais dessa presença em muitos lugares, por exemplo, no Brasil, onde me juntei a centenas de jovens, principalmente no Carnaval
Revolução, em Fevereiro de 2008. Muitos me disseram que a orientação primitivista foi o tema da conversa e que o velho anarquismo estava visivelmente expirando. Existe uma rede anti-civilizaçã na Europa, incluindo os laços informais e reuniões bastante freqüentes em países da Suécia a Espanha e na Turquia.

Lembro-me de minha empolgação após descobrir as idéias Situacionistas: a ênfase na reprodução e no dom, os prazeres terrenos não sacrificam a auto-negação. A minha frase favorita dessa corrente: "No pavimento abaixo, a praia". Mas eles foram contidos pelos conselhos de trabalhadores e o aspecto producionista da sua orientação, que parecia em desacordo com a parte lúdica. Agora é hora de largar a última, e complementar a outra, parte mais radical.

Uma jovem mulher na Croácia levou tudo mais à frente com a sua conclusão de que o primitivismo é como base um movimento espiritual. A busca da integralidade, imediatez, reconexão com a terra não é espiritual? Em Novembro de 2008 eu estava na Índia (Delhi, Jaipur), e pude ver que apresentando uma abordagem anti-industrial ressoou entre as pessoas de várias origens espirituais, incluindo pessoas influenciadas por Gandhi.

Vozes e atividades primitivas dispersas já existem na Rússia, China e nas Filipinas, e sem dúvida em outras regiões. Isso pode ainda não constituir um movimento surgindo de baixo da superfície, mas a realidade está empurrando nesta direção, como eu vejo isso. Não é apenas uma evolução
lógica, mas uma que visa o coração da negação reinante, e há muito esperada.

Esta movimento primitivista nascente deve vir como nenhuma surpresa dado ao escurecimento da crise que vemos, envolvendo todas as esferas da vida. É armado contra o industrialismo e as promessas da alta tecnologia, que só têm agravado a crise. A guerra contra o mundo natural e uma tecno-cultura cada vez é mais árida e desolado, são fatos gritantes. A máquina não é a resposta, mas é profundamente, o problema. Tradicionalmente o anarquismo de esquerda quer as fábricas para serem auto-gestionadas pelos trabalhadores.

Nós queremos um mundo sem fábricas. Eu poderia ser mais claro, por exemplo, que o aquecimento global é uma função da industrialização? Ambos começaram há 200 anos, e cada passo em direção a uma maior industrialização tem sido um passo em direção a um maior aquecimento global.

A perspectiva primitivista baseia-se em indígenas, na sabedoria pré-domesticada, tenta aprender com os milhões de anos de existência humana antes da/para a civilização. A vida de caçadores-coletores, também conhecida como a sociedade de bandos, era a original e a única anarquia: comunidades face a face em que as pessoas assumiam a responsabilidade para si
próprios e uns aos outros. Queremos que haja alguma versão disto, um mundo-vida radicalmente descentralizado, e não a globalização, a padronização da sociedade de massas, em que todas as tecnologias brilhantes repousam sobre a escravidão de milhões de pessoas e a sistemática matança da terra. Alguns estão horrorizados por estes novos conceitos. Noam Chomsky, que ainda acredita em todas as mentiras do progresso, chama-nos de "genocidistas" . Como se a continuação da proliferação do tecno-mundo moderno não já é genocida!

Eu vejo um crescente interesse em desafiar essa marcha da morte em que estamos. Afinal, onde o iluminismo ou a modernidade fez algo de bom em seus pedidos de melhoria? A realidade é constantemente empobrecida em todos os sentidos. Os hoje quase rotineiros massacres em escolas, shoppings e locais de trabalho falam tão alto quanto o desastre ecológico que tem desdobramento em torno do globo. A esquerda tentou bloquear o aprofundamento extremamente necessário do discurso público, que inclui um questionamento da real profundidade das evoluções assustadoras que enfrentamos. A Esquerda precisa de ir de maneira radical, visões inspiradas podem vir mais à frente e serem compartilhadas.

Um mundo cada vez mais tecnificado onde tudo está em risco só é inevitável se continuarmos a aceitá-lo como tal. A dinâmica de tudo isso repousa nas instituições primárias que devem ser contestadas. Estamos vendo o início deste desafio agora, superando as falsas alegações de tecnologia, capital, e da cultura pós-moderna de cinismo e superando o cadáver da esquerda,
e os seus horizontes ilimitados.

Ver mais em: http://www.johnzerz an.net/articles/

    segunda-feira, 8 de junho de 2009

    PRISÃO SEM MUROS


    Mais um dia entre a massa, nas ruas nos transportes coletivos, nos bancos e supermercados, as pessoas se aglomeram buscando espaço pra respirarem aliviadas do massacre diário exercido por aquilo que chamamos de “VIDA COMUM”.
    Essa coisa está em todos os lugares tirando o resto de vida que ainda temos. Oito horas ou mais, dedicadas a algo que realmente não tem nenhum valor pra você.

    Escolas que reprimem as crianças tomando delas toda a espontaneidade baseadas em valores morais que antes foram estabelecidos pelo senhor burguês branco europeu, como mais uma forma de manipulação sobre o povo. O capital tenta todos os dias roubar o brilho de nossos olhos, injetando cada dia mais medo e desconfiança em nossas ações.
    Sejamos nós o contraste, o avesso, um espelho onde a apatia e a alienação possam bater e voltar de onde vieram. O coração pega fogo. Nós ainda respiramos nesse vale escuro, se é preciso caminhar nas sombras então que seja assim.
    A cordialidade será deixada de lado, ações se fazem necessárias, como jovens raposas descobrindo que pra viver é necessário subverter valores. Quem diz o que é certo ou errado somos nós e ninguém mais. Seremos traidores desleais entre os bons heróis do capital. Jogaremos com suas mesmas armas, lhes faremos confiar em nossas palavras e no alto do entusiasmo aplicaremos a rasteira e os veremos cair de cara, isso se ainda houver um chão. A discórdia será implantada aos pouco em todos os setores nós os veremos se comerem vivos pelo dinheiro pelo poder por seja lá o que for.
    Continuamos aqui esmagando o preconceito e a intolerância seja aonde for, nas mais simples ações.
    A fé em todas suas formas será desmistificada. Não contribuiremos com mais essa mentira. De acordo com os grandes donos da terra, nós somos burros e só servimos pra dar lucro. Está bem, aceitamos isso, mas dessa vez esse lucro terá gosto de vingança. Imaginem séculos de repressão revertidos em contra-ataque, como poderão conter? Eles vão bater e nós vamos levantar e tentar de novo, não adianta, não iremos perder. Ontem o receio foi embora, hoje percebemos o quanto nossas vidas podem ser melhores. Lembro de um show onde ouvimos a frase “SE FOR SERVIR AO CAPITAL SEJA DESLEAL” isso nunca fez tanto sentido como agora.
    Seja esperto não tenha piedade, pois eles não sabem o que é isso. Abram os olhos, descubram seus reais inimigos. Independentemente do rótulo que carregue, saiba reconhecer quem é oprimido assim como você. Quebre o gelo, estabeleça o diálogo, esqueça as aparências e vá de encontro ao desconhecido.

    ISSO NÃO SE RESTRINGE A NENHUM GRUPO, TRIBO OU MOVIMENTO todos devem ser atingidos. Devolva o ódio a quem faz por merecer .


    Falem o que quiser, mas nós os garotos e garotas punks seremos chatos até o fim, mas nossas vidas terão algum sentido somos nossos próprios senhores xxx.



    PRISÃO SEM MUROS

    terça-feira, 26 de maio de 2009

    Contra o capital, emergem os Black Blocs


    [Como se viu na reunião da cúpula do G-20 em Londres, os Black Blocs são a lança inflexível dos enfrentamentos com a polícia, a destruição de propriedades capitalistas e a ocupação momentânea de certas zonas centrais das cidades.]

    Hakim Bey poderia contemplar a influência de sua obra através das telas de televisão. O teórico da TAZ, Zona Autônoma Temporária (Temporary Autonomous Zone), criou um conceito que determinados grupos logo converteram nos Black Blocs. Estes grupos são os que, no curso das manifestações contra o G-7, a OTAN, o FMI e o G-20, ocupam a cabeceira das mobilizações e se transformam em comando de choque: sucursais de bancos destruídas, automóveis de luxo queimados, vitrines de lojas “para ricos” quebradas e enfrentamentos diretos com as forças da “ordem” que caracterizam um modo de ação que remonta os anos 80 e que a partir dos 90 utilizou os princípios enunciados por Hakim Bey. Este autor anarquista se chama na realidade Peter Lamborn Wilson. Escritor, poeta e político, Wilson se define como um "anarquista ontologista".
    Sua obra, que é escrita com o pseudônimo de Hakim Bey, teoriza uma força crítica de ocupar o espaço controlado pelos aparatos estatais. As TAZ “aparecem e desaparecem para escapar melhor dos agrimensores do Estado. As TAZ ocupam provisoriamente um território, no espaço, no tempo, no imaginário e se dissolve enquanto está sendo repercutida. (...) A TAZ é uma insurreição fora do Tempo e da História, uma tática de desapropriação”. A tradução mais extrema e moderna desse enunciado foi modelada nas operações do que hoje são chamados os Black Blocs: ocupar um território ou espaço durante uma manifestação, destruir propriedades capitalistas como bancos, comércios de luxo, sedes de multinacionais e expressar com isso o repúdio ao sistema.
    Como se viu na reunião de cúpula do G-20 em Londres, e a da OTAN organizada dias depois na cidade francesa de Estrasburgo, os Black Blocs são a lança inflexível dos enfrentamentos com as forças da “ordem” e a ocupação momentânea de certas zonas centrais das cidades: “Se trata de mostrar ao poder que isso é uma nuvem de desordem, e de celebração anti-sistema capitalista”, explica Julien, um Black Bloc belga que participou da tomada do Banco da Inglaterra durante a reunião do G-20 e logo depois viajou à França para integrar os BB que participaram das manifestações em Estrasburgo durante a reunião da OTAN.
    OTAN, Banco Mundial, G-7, G-20, Fundo Monetário Internacional, Cúpulas Européias, Organização Mundial do Comércio, são “nossos alvos ‘preferidos’ porque estas instituições encarnam a pior versão da gestão de assuntos humanos”, complementa Julien. Os BB não são, contudo, um movimento organizado ou uma estrutura funcional com uma doutrinação. Se trata de um núcleo horizontal, de um grupo de afinidades que se formam segundo as ocasiões e que conta com componentes de várias linhas: anarquistas, anticapitalistas, libertários, extrema esquerda, autônomos, ecologistas radicais, etc, etc. Jonathan, um aguerrido irlandês de 26 anos, adverte que não se é do Black Blocs, como se afirma ser comunista ou de extrema esquerda. Black Bloc não é uma “marca” mas sim pertence em suas atitudes a eles mesmos. “Não somos uma nuvem anarquista como nos definem por aí, mas sim encaramos uma determinada maneira de assumir nossas ações.” Os BB mudaram o esquema de organização tradicional do movimento operário, estudantil e de movimentos sociais. Os chamados “grupos de afinidades” representam a idéia de comunidade ou de pertencimento à uma classe para criar uma gestão não-centralizada, independente das demais, mas com um objetivo de ação em comum, para aquele determinado momento: sejam os bancos, lojas de luxo etc.
    A marca operacional dos BB já deu a volta ao mundo, sempre entram em cena com carrinhos cheios de projéteis como limões e soro fisiológico contra os gases lacrimogêneos. Alguns usam capacetes de moto, outros panos cobrindo o rosto, máscaras de natação ou de esqui, máscaras de gás ou com rostos de algum dirigente mundial, paus, correntes e em alguns casos coquetéis molotov. Jean Michel, um BB francês que foi detido em Estrasburgo logo após o incêndio de um hotel e de um centro comercial, admite que com essas ações “não é para mudar a sociedade, ou transformar radicalmente o sistema. Mas queremos ao menos demonstrar que não nos resignamos, que frente à violência oficial que nos é impingida diariamente, à todo o controle, a desigualdade destruidora e à impunidade dos sistemas há uma confraria insurgente que afirma que esse não é o seu sistema, e nem suas práticas”.
    O nome Black Blocs provêm dos primeiros grupos críticos, quando no centro das manifestações se agrupavam em bloco, vestidos de negro. As interpretações de suas origens, ainda que divergentes, tem uma mesma raiz: são os movimentos de ultra-esquerda da Europa que iniciaram as ações dos anos 80. Entre eles, se destaca o movimento autônomo alemão, que se caracterizou pelo enfrentamento direto com a polícia, e ocupação de ruas e espaços públicos. O coletivo alemão "Schwarzer Block” se formou nos anos 80 em defesa de lugares autogestionados e do direito à ocupação de casas desocupadas. Este ramo nascente propunha uma crítica e uma prática radical em total ruptura com os modos de protesto tradicionais. Os BB entraram logo em cena, em ocasiões ambas muito reprimidas: uma em 1991 nos Estados Unidos durante a manifestações contra a Primeira Guerra do Golfo, a segunda e mais espetacular em 30 de novembro e 1 de dezembro de 1999, na cidade de Seattle, quando da reunião de cúpula da OMC. A reunião teve de ser interrompida graças às manifestações e ações provocadas pelos BB.
    Foram a partir desses episódios que os Black Blocs levaram a prática a idéia de Zonas Autônomas Temporárias teorizada por Hakim Bey. Os BB destruíram vitrines de bancos, cafés, restaurantes, bares burgueses e sucursais da Nike. Ao longo de muitas horas, mais de um bairro da cidade de Seattle foi ocupado e transformado em ZAT.
    O grupo Revolutionary Anti-Capitalist Block (RACB) e Anti-Statist Black Bloc (ASBB) são os BB mais conhecidos pela envergadura de suas ações. Há também grupos como os Clown Bloc, que introduziram uma forma distinta de ocupação mediante a paródia na esfera pública oficial e as instituições graças à uma demonstração de espetáculos e teatros de rua.
    Ainda que o princípio dos Schwarzer Block estendeu-se ao mundo inteiro, segue sendo na Alemanha onde persistem com mais força. Os BB agrupam mais de 70 organizações cuja atividade vai de Berlim, passando por Hamburgo, Ruhr até Dresde. Segundo informes alemães, esse exército anarquista apresenta por volta de 6000 pessoas. A forma desses grupos se encontrarem tem sido a internet, uma passarela de comunicação ideal que vem “decompor a imagem das instituições e do sistema que domina o mundo”, explica Franz, um BB alemão. Antônio, de origem espanhola, resume todo o pensamento dos BB quando afirma: “A única forma de colocar o capitalismo em perigo é atacando seu coração, ou seja, a propriedade”. Os Black Blocs se apresentam como um antídoto contra o conformismo. No entanto, seu modo de ação há acentuado também a amplitude e brutalidade da repressão policial e das “forças da ordem”. Antonio, porém, descarta essas críticas ao explicar: “É o preço para que o capitalismo exterminador sofra em sua própria carne as degradações humanas que ele mesmo comete”, uma vez que, com ou sem BB, as repressões policiais e violências, sempre estiveram aí.

    Por Eduardo Febbro - Desde Paris

    Tradução > Palomilla Negra

    agência de notícias anarquistas-ana

    A diversidade do movimento anarquista mundo afora


    [Acontecerá nos próximos dias em diversas partes do mundo uma série de eventos libertários que espalham a luta, a intensidade, a vibração, a história e a diversidade do movimento anarquista atual, que, "aos trancos e barrancos", segue crescendo paulatinamente. Na seqüência uma "pequena" mostra desta vivacidade anárquica.]
    [Portugal]
    Em 22, 23 e 24 de maio acontece em Lisboa a “Feira do Livro Anarquista”. Segundo o/as organizadores da jornada, eles querem “ir além da informação e da opinião. Partindo de diferentes projetos, pretendemos criar um espaço de discussão, reflexão, encontro e confronto de idéias anarquistas, onde cada um destes projetos se possa desenvolver. Numa tentativa de encontrar e conhecer outros indivíduos e descobrir potenciais cúmplices no que cada um de nós deseja, continuamos (e continuaremos) a dar importância à palavra escrita enquanto ferramenta de comunicação e ataque.” Mais infos: http://www.blogger.com/feiradolivroanarquista.blogspot.com
    [Reino Unido]
    Anarquistas da cidade de Cardiff vão realizar pela primeira vez, em 23 de maio, a "Feira do Livro Anarquista". O encontro apresentará durante um dia palestras, debates e um espaço para a criação de redes, bem como barracas com livros, revistas, jornais, DVDs, CDs, camisetas, bottons e muito mais, com as contribuições de grupos locais, nacionais e organizações internacionais, distribuidores, editores, campanhas, ativistas e coletivos anarquistas. O evento será encerrado com um grande painel de discussão sobre "o tipo de movimento anarquista que queremos". Mais infos: http://www.southwalesanarchists.org/
    [Itália]
    Acontece em Modena, numa antiga fábrica de queijo ocupada, nos dias 22, 23 e 24 de maio, a tradicional "Feira da Autogestão". Três dias de debates, exposições, mostra de filmes, concertos e oficinas práticas aqui e agora de alternativas autogestionárias. Exemplo: "Laboratório de autoprodução de energia solar". Mais infos: http://www.libera-unidea.org/
    [México]
    A Federação Local Libertária organiza no dia 23 de maio, no Centro Social Libertário Ricardo Flores Magon, no Distrito Federal, capital do México, a “Videorevista SIN(A)PSIS e NOTILIBERTAS”. Si[a]psis é um projeto de contra-informação audiovisual cujo objetivo é a difusão das idéias e práticas de distintos movimentos sociais autônomos, autogestivos, revolucionários e libertários na República do Chile. Por outro lado, A Cooperativa Libertas Anticorp é um projeto libertário que trabalha os meios livres, mediante a criação e difusão de material de TV pela internet e material de vídeo documental copyleft e creative commons. São abordados temas do movimento político- social no México como Oaxaca, Atenco, Chiapas, Guerrero etc. Na programação do evento palestras com o/as realizadore/as de ambos os projetos; projeção e debate dos melhores trabalhos de ambas as produtoras libertárias; e venda das edições de Videorevista Sin(a)psis e os documentários da Libertas Anticorp. Mais infos: http://colectivoautonomomagonista.blogspot.com/
    [Brasil]
    No Rio de Janeiro, nos dias 26 e 27 de maio, acontece o “Colóquio 200 Anos de Proudhon”. De acordo com os organizadore/as, a realização deste colóquio “visa apresentar este pensador aos setores dos movimentos sociais e comunidades acadêmicas que se interessem por ter contato com a vida e a obra de Proudhon, explorando diversos temas como: “Proudhon e a Dialética”, “O mito da classe produtiva em Proudhon”, “A Contribuição de Proudhon para o Brasil”, “Crítica à Propriedade pelo Movimentos Sociais”, “Proudhon e a Franco-Maçonaria”, “Proudhon e Educação”. Mais infos: http://www.ifcs.ufrj.br/~amorj/
    Ainda no Rio de Janeiro, no Centro de Cultura Social, no dia 23 de maio, acontecerá o lançamento do livro "Anarquismo Social", feito pela Federação Anarquista do Rio de Janeiro (FARJ), “após cinco breves, mas não menos intensos anos de luta política e social”. A obra lietrária passa por diversos temas: anarquismo social; luta de classes e relações centro-periferia; breve história do anarquismo no Brasil; perda e tentativa de retomada do vetor social do anarquismo; capitalismo e Estado; a revolução social e o socialismo libertário como objetivos finalistas; os movimentos sociais e a organização popular. Na ocasião também será inaugurado o cine-clube “Tiê-Sangue”, com a exibição de filmes produzidos pelos coletivos de produção visual “Tiê-Sangue” e “Bucaneiro”. Durante o evento comes e bebes. Mais infos: http://www.farj.org/
    [Espanha]
    A "Feira Libertária" de Madri acontece em 22, 23 e 24 de maio. Na programação debates: “Nacionalismo e Anarquismo”, “Movimento Obreiro durante os anos 70 e 80”, “Mulher e Anarcosindicalismo”; mostra de vídeos: “Movimento de bairro em Atenas”, “Mulheres Livres”; mais exposição, venda e lançamento de livros: “José Pellicer. Um Anarquista”, “Anarcosindicalismo. Teoria e Prática”. Todos os dias comedor vegano. A Feira é organizada e acontece no amplo espaço da Federação Local de Madri da CNT-AIT. Mais infos: http://sovmadrid.cnt.es/comunicamos6.htm#feria
    Em Barcelona, de 26 a 31 de maio, acontece o “OVNI 2009 RIZOMAS”, com uma extensa e ótima programação de vídeos, concertos, intervenções e debates, com John Zerzan, do Green Anarchy, “Critica da Civilização”; Espai em Blanc, “Digno é tudo aquilo que merece não ser destruído”; Abdelnour Prado, “O islam como anarquismo místico”; E.Duran, M.Deriu e F.Schneider, “Frente à crise do crescimento, Decrescimento!”; e Alberto Arce. “Gaza, Riscados do mapa”. Mais infos: http://www.desorg.org/ Rizomas: “Um sistema sem centro, hierarquias nem significado fechado, sem um General e sem memória organizativa ou automatismo central, definido unicamente por uma circulação de estados e intensidades”.
    A “8º Tatoo Convenção" de tatuagens beneficente aos preso/as e acusado/as judicialmente, acontece em Barcelona, no Ateneu del "Maig 37", em 22, 23 e 24 de maio. A primeira Convenção foi realizada em Roma (Itália), em maio de 2007, depois em Torino, Barcelona em outubro de 2008, em maio de 2008 novamente em Roma, em setembro em Chiclana, Cadiz, em outubro em Tessalônica (Grécia), e neste ano, em 15, 16 e 17 de maio em Roma e agora em 22, 23 e 24 em Barcelona. O/as organizadore/as explicam: “A cada ano se expande mais o “Tattoo Circus” como outra ferramenta solidária e autogestionária. Na “Tattoo Circus” participam tatuadores, piercings, malabaristas e tantos outros personagens de forma desinteressada, sem fim lucrativo, em um encontro solidário comum, a Liberdade! Não se pretende competir, nem exigir níveis artísticos. Participam quem esteja aberto a um encontro de amizade, intercâmbio de experiências e, sobretudo, uma causa comum. A entrada não será cobrada, mas não pode entrar cachorros, nem outro animal, por uma questão de higiene. O bar terá preços populares e os comedores serão a vontade, porque pretendemos uma consciência sem exigir um preço pautado. Neste fim de semana desfrutaremos de grafites, exposições de cartazes, tatuadores de diferentes estilos, escarificações, concertos, comidas, uma variedade de malabaristas, acrobatas, clown, equilibrismo, trapézio, mágicas, suspensões (se buscas adrenalina, venha se pendurar!), curtas metragens, amigo/as, risadas, surpresas, aplausos, criatividade, informação, DJs, bailes, tragos e muuuuuita tinta.”
    De 23 até 30 de maio a CNT-AIT de Sevilha organizará a "XI Jornadas Libertárias". O/as organizadore/as contam: “A Jornada começa com uma festa com as avós de São Bernardo e culminam com itinerário histórico nas vizinhanças onde foi gestada a resistência trabalhadora ao Golpe de Estado de 18 de julho de 1936. Em ambas caminhadas conheceremos histórias diversas que representam uma mesma luta para conquistar e construir espaços de liberdade e solidariedade. Assim apresentaremos o livro “Anarquismo e Antropologia”, do nosso companheiro Beltrán Roca. Também conheceremos propostas de autogestão libertária como alternativa ao modelo capitalista atual. Além disso, debateremos a luta pela defesa de uma cultura livre, contra as políticas oficiais restritivas que estão sendo impostas e intensificadas dia-a-dia, e ainda teremos a oportunidade de passar uma tarde com o/as vizinho/as de alguns bairros em luta de nossa cidade, que compartilham o objetivo comum de ser protagonistas de sua própria história cotidiana. Estas Jornadas será um lugar de encontro, debate e discussão ao redor de idéias e práticas de luta coletiva e um espaço comum em que vamos nos divertir, compartilhar experiências, abrir novas perspectivas e somar forças para continuar a luta.” Em todos os dias da Jornada haverá degustação de produtos da La Ortiga (cooperativa de consumo de produtos ecológicos de Sevilha). Mais infos: http://sevilla.cnt-ait.es/cms/index.php?option=com_content&task=view&id=191&Itemid=1
    [Grécia]
    Durante os dias 27, 28, 29, 30 e 31 de maio acontece a "4˚ Feira do Livro Anarquista" dos Bálcãs, nos dias 27 e 28 a Feira rola em Tessalônica, já em 29, 30 e 31 o evento passa a acontecer em Atenas. Ambas sob o lema “Bálcãs, da exploração e nacionalismo, aos Bálcãs de solidariedade e luta”. Na programação, além das mostras de vídeos e lançamentos de livros, festival de canções balcânicas, discussões sobre: “A história do Movimento Anarquista Búlgaro”, “Nestor Makhno”, “Bálcãs nacionalistas aos Bálcãs de solidariedade”, entre outros temas. O evento contará com a participação do conhecido historiador anarquista sérvio Andrej Grubačić. Mais infos: http://www.balkanbookfair.org/
    [EUA]
    Nos dias 21, 22, 23 e 24 de maio, em San Francisco, na Califórnia, acontece o "Festival e Convergência" em comemoração ao 29º aniversário do Food Not Bombs (Comidas Sim, Bombas Não), com uma série de eventos ao ar livre e num anfiteatro, com uma programação muito boa em torno de debates, mostra de filmes, exposições, performances com palhaços e dançarinos, concertos, jogos, oficinas, atividades e espaços para crianças. Tudo numa área de 317 hectares, com árvores, trilhas... no meio da natureza! Mais infos: http://www.soupstock.org/
    Da Lua Nova à Lua Cheia, de 24 de maio a 6 de junho, acontece no Sul do Colorado, na Floresta Nacional, num ambiente selvagem, o "Acampamento Anti-civilização e Primitivista", chamado de "Feral Futures", que estará "centrado" em diversos workshops, estratégias e táticas anti-civilização e primitivistas, entre outras atividades de conexão com a natureza. Mais infos: www.myspace.com/feralfutures
    agência de notícias anarquistas-ana

    quarta-feira, 13 de maio de 2009

    x Straight Edge é Politica x

    Já faz um tempo que venho pensando sobre esse assunto e em tudo que envolve o Straight Edge e suas evoluções. Tenho me perguntado pra onde caminham nossas posturas e nossas decisões . O SxE nasceu como postura de rompimento dentro do atual estado das coisas, é como se o punk fosse um bêbado com um "a" de anarquia tatuado no braço e uma garrafa de pinga, vestindo uma camisa do dead kennedys voltando pra casa e o SxE fosse o amigo que vem pra ajudá-lo a chegar em casa e dar alguns conselhos.

    Talvez essa seja a imagem do SxE positivo que tanta gente fala, o punk que viu que era possível fazer as coisas sem ter que se fuder e aceitar tudo aquilo que lhe fizeram acreditar como única saída. Pra mim, a negação a tudo isso faz o SxE ser político.

    Uma coisa que é importante dizer é que o SxE não pode nunca se fechar para o mundo, ele tem sim esse caráter de mudança social, ou seja, tem que estar em constante evolução. SxE é idéia, e idéias precisam ser questionadas pra poderem evoluir! É dever nosso a auto-crítica, isso fortalece a idéia. Fazemos parte de um meio em que tudo deve ser posto em cheque, aceitar as coisas assim facilmente é no mínimo incoerência, devemos ver o que há por trás de tudo inclusive de nós mesmo.

    As brigas de punk VS pride, ateus VS cristão, pro-choice VS pro-life são coisas a se pensar, talvez um pouco mais de respeito por parte dos dois lados seja o ideal. Não falo pra sermos todos amigos de infância, mas sim o mínimo de tolerância com a outra parte e que fique bem claro que este texto não tem a intenção de atacar ninguém, apenas estou falando das coisas que eu acredito, acho que todos têm esse direito. Quem sabe assim não conseguimos um dia viver como na capa daquele split do BETERCORE com o BOYCOT aonde tem um punk dando a mão pra um SxE youth crew, nossa convivência é inevitável, direto nos esbarramos na rua e fica difícil sair na porrada toda vez que isso acontece e creio que ninguém quer guerra a vida toda, pelo menos eu não quero.

    No começo o SxE era vinculado com a negação de várias coisas e hoje muita gente já acha que ele é um movimento próprio que foi adaptado pelo sistema pra gerar lucro. Pelo contrário, SxE é a contra mão disso, então por isso me entristece ver alguém com um "x" na mão e um Nike no pé. É o tipo de coisa que é inconcebível pra mim, fico pensando se o cara realmente sabe os males que esse tipo de futilidade acarreta para a vida de outras pessoas, é como se a única coisa que importasse fosse o seu próprio bem estar.

    SxE também tem a ver com solidariedade, mesmo sendo uma idéia pessoal ele atinge a vida de outras pessoas direta ou indiretamente, só pra dar alguns exemplos: com certeza sua família prefere você livre de drogas, certamente isso é um exemplo direto. O vendedor de bebidas/drogas que vai deixar de lucrar é um exemplo indireto. Citei isso pra mostrar como é ingenuidade achar que SxE é algo que só afeta a você mesmo. Só pra se ter uma idéia dos males que a indústria e o capital trazem a nossas vidas, vou falar um pouco das Multinacionais. A coca-cola, por exemplo, causa todos os anos um enorme desequilíbrio ambiental causado pela imensa quantidade de água desperdiçada por suas fábricas engarrafadoras na sua produção, sem contar nas pessoas que são mortas com a conivência da empresa por apresentarem algum tipo de risco ao segredo do refrigerante ou água negra do capital. Você sabia que a nike explora milhões de pessoas miseráveis nos países onde a situação econômica é mais critica, onde podem fazer seus operários trabalharem 12 horas por dia ganhando menos de 30 centavos por dia? A nike tem fábricas ao redor do mundo, especialmente em países de terceiro mundo, onde as leis são escassas e onde os direitos humanos não são respeitados. As fábricas empregam trabalhadores menores de idade, crianças de 12 e13 anos trabalhando em turnos de 12 horas em condições tão horríveis que seria difícil achar algo parecido em nosso país. Eles lucram milhões com o sofrimento de pessoas e vendem a imagem de que é super legal ter um nike no pé. Isso é no mínimo algo a se pensar, não acham?

    Esses foram apenas dois exemplos, podemos ver isso todos os dias até nas ações mais pequenas como comprar um jornal pra ler e tomar café da manhã com a família, basta prestar mais atenção e não sermos tão arrogantes diante das coisas.

    O capital desperta o que há de pior no ser humano!

    A retomada da identidade política no Straight Edge é algo que devemos buscar. Chega de pose e apatia, devemos sim nos preocupar com outras coisas. Ao invés de moshar e manter o visual, desassociar o SxE da política é o mesmo que ser vegano unicamente por questão de saúde, nem preciso mais dizer o quanto o SxE pode ir além dessas coisas fúteis, acho que todos sabemos aonde ele pode chegar mesmo estando em constante evolução assim com as pessoas. Não quero aqui também ser o dono da verdade, mesmo porque não acredito em verdade absoluta, quero mais é que me façam refletir sobre minhas próprias convicções e se eu achar necessário mudar de postura, o farei. Essa sim será uma atitude coerente com tudo que prezo, nem a vaidade e nem o ego irão me cegar.

    É necessário ler mais e dialogar mais sobre as nossas duvidas e certezas, sair as ruas e ver como a vida é de verdade e não achar que o SxE/Hardcore é um outro mundo. Estamos inseridos neste contexto chamado sociedade e é nele que devemos atuar, como diz o NO VIOLENCE: “em todas as frentes temos que lutar, há um novo dia por vir”.

    Temos um potencial imenso, mas precisa ser posto em prática, se não de nada vale tudo o que sabemos. Só a organização aliada a ação é que fazem a diferença, mas pra isso é preciso querer essa mudança e se sentir incomodado com o atual cenário das coisas e é isso que eu sinto falta hoje em dia, parece que já conquistamos tudo e nada mais precisa ser feito. Não, eu não penso assim, temos uma porção de batalhas pela frente e acho que o SxE pode ser UMA das maneiras de lutarmos contra tudo aquilo que nos tira o direito de ser quem queremos ser.

    Bem, já falei demais é hora de deixar as pessoas pensarem sobre tudo o que disse mas que fique bem claro: Straight Edge é política, Straight Edge é revolução .


    Por favor se você leu tudo isso e achou uma grande merda, se expresse e mostre seus pontos de vista! Sentirei prazer em discutir de forma respeitosa e amigável com quem quer que seja .
    NÃO JOGUE ESTE MATERIAL NO LIXO. Não gostou? Passe adiante, gostou?leia e passe pra frente, não monopolize a informação talvez tenha alguma serventia para outra pessoa
    .

    ESTE TEXTO SERÁ PUBLICADO COMO PARTE DO FANZINE IMPRESSO JUVENTUDE INCONFORMADA


    Estou pouco me importando para os possíveis erros gramaticais!

    XlazaroX

    E-mail para contato: kaosedanos@hotmail.com